Programa 1.000: conheça a história do Jazzmasters!

Há mais de 16 anos sendo trilha sonora para milhares de ouvintes
JazzMasters > News > Jazzmasters > Algumas das melhores indicações para quem quer ouvir jazz

Adoramos boa música, então separamos alguns artistas essenciais. Confira em nosso artigo!

OS “GIGANTES” DO JAZZ

Nossa bagagem vem carregada de grandes talentos, são anos compartilhando cantores incríveis, músicas inéditas e muita história. A música é algo que corre nas nossas veias e por isso vamos indicar algumas personalidades que são essenciais para quem quer ouvir e entender o jazz.

Cá entre nós, não foi nada fácil escolher apenas 5. E você, não se limite só a essas indicações, em nossos programas e redes sociais (jazzmaster.oficial) compartilhamos sempre novidades, lançamentos e cantores especiais, fiquem ligados!

Vamos lá para as indicações?

 

1.Louis Armstrong

Pixabay

Não haveria uma lista honesta para se entender o jazz, sem esse trompetista, saxofonista, compositor, cantor, escritor, maestro, tenor e produtor musical. Quer mais? Era dramaturgo, artista plástico, ator e ativista político. E introduziu a palavra “swing” ao estilo nos anos 30.

2.Miles Davis

Apesar de não ser cantor, Miles respirava jazz. Passeou pelo bebop, cool jazz e o jazz fusion. Miles era trompetista e seu estilo irreverente, mágico e criativo influencia todos os músicos que adoram o jazz e suas vertentes.

3.Ella Fitzgerald

Pixabay

A “First Lady of the Song”. Uma das gigantes e considerada por muitos a mais bela voz do jazz! Ella tem uma história como a grande maioria das cantoras, principalmente na sua época. Fazia vigilância em bordel, trabalhou em casa de apostas com a máfia, foi presa, despejada e colocada em reformatório. Morou na rua antes de ser incentivada a se apresentar em um concurso no lendário Apollo Theater. Ganhou e o resto é história!

4.Billie Holiday

Pixabay

Uma das vozes indispensáveis em qualquer coleção minimamente séria. Outra artista que sofreu muito. O pai tinha 15 anos e a mãe 13 quando ela nasceu. Foi abusada pelo vizinho e foi para uma casa de correção para vítimas de abuso, que não cessariam nos anos seguintes, inclusive se prostituindo para pagar moradia para ela e para a mãe após o reencontro das duas. Após arrumar o emprego de faxineira e dançarina no Harlem, em Nova York, o pianista do local a viu cantando enquanto limpava o bar. Billie então começou sua carreira, ainda na década de 1930. Voz inesquecível, marcante em músicas melancólicas.

5.Eunice Kathleen Waymon (Nina Simone)

Por fim, não podemos deixar de falar da Eunice Kathleen Waymon. Ela está na alma do Jazzmasters e permeia toda nossa história. Primeiro, porque ela nunca quis ser vista como uma cantora de jazz. De acordo com ela: “Chamar-me de cantora de jazz era um modo de ignorar meu background musical porque eu não cabia nas ideias brancas acerca do que deveria ser uma performer negra. Era algo racista; ‘Se ela é negra, ela deve ser uma cantora de jazz’ ”. Claro, ela é Nina Simone, que foi e continuará sendo a voz que fala e falará por nós. Principalmente no tempo que vivemos do maravilhoso empoderamento feminino e de outro lado, da saturação da mediocridade e da intolerância racial, como alguns exemplos.

Nina é lembrada constantemente pelos artistas que entrevistamos ao longo desses anos. Praticamente uma unanimidade, inteligente e consciente, de quem foi essa artista e o que ela representa até hoje.

 

MÚSICA BOA DEVE SER OUVIDA

Deu para ver que nossas indicações têm só personalidades peso pesado, né? E finalizamos este artigo com uma frase da Nina:

 É dever do artista refletir o seu tempo. 

Claro, continuaremos a seguir o conselho da Senhora Waymon. Refletindo sempre que possível em todos os nossos programas e mostrando aos ouvintes que música boa envolve muita história.